Centenas debatem instalação da maior mina de carvão do Brasil na Região Metropolitana

MPE promoveu discussão sobre o tema na noite desta terça-feira em Porto Alegre

O Ministério Público Estadual (MPE), em parceria com o Ministério Público Federal (MPF), promoveu nesta terça-feira (20), em Porto Alegre, uma audiência pública sobre o projeto da Mina Guaíba. O processo de licenciamento da maior mina de carvão do Brasil, planejada para  ocupar uma área de 4,5 mil hectares (cerca de 120 vezes o Parque da Redenção) entre Eldorado do Sul e Charqueadas, na Região Metropolitanagera divergências entre a empresa responsável, a gaúcha Copelmi Mineração, e ambientalistas.

A Fepam já havia realizado, em março e em junho, audiências públicas em Charqueadas e Eldorado do Sul. Mas a promotora Meio Ambiente de Porto Alegre, Ana Maria Moreira Marchesan, ressalta que houve muitos pedidos para a realização de um evento na Capital.

Há muito tempo não tinha uma questão ambiental que mobilizasse tanto a sociedade gaúcha — destacou na abertura.

Em coletiva de imprensa antes da audiência, ela destacou sua preocupação pela área estar a menos de 500 metros da Área de Preservação Ambiental e um quilômetro do Parque Estadual Delta do Jacuí, com a possibilidade de emissões atmosféricas, com os planos de rebaixamento do lençol freático e a qualidade da água no Rio Jacuí.

Já Pedro Sacco, procurador da República do Núcleo de Comunidades Indígenas e Minorias Étnicas no RS, ressalta que há a uma comunidade guarani próxima, um acampamento indígena na BR-290, o assentamento Apolônio de Carvalho e centenas de pescadores artesanais que poderiam ser atingidos.

— Precisa ser feito um componente indígena nesse estudo, essa lacuna tem que ser sanada — opina.

Cristiano Weber, gerente de sustentabilidade da Copelmi, afirma que, no dia 7, a empresa “protocolou na Funai informações sobre a posição do empreendimento em relação a terras indígenas”. Com relação aos pescadores, alega que não foram abordados porque não haverá contaminação do Rio Jacuí.

— Não vai haver qualquer prejuízo à pesca.

Além de destacar que o projeto da mina não inclui barragem, como em Brumadinho, a Copelmi argumenta que a visão do carvão como elemento poluente é ultrapassada e que tecnologias atuais garantem operação limpa.

O secretário do Meio Ambiente e Infraestrutura, Artur Lemos Júnior, e a diretora presidente da Fundação Estadual de Proteção Ambiental (Fepam), Marjorie Kauffmann, estavam presentes na audiência pública. Marjorie esclarece que o órgão ainda não tem posição conclusiva sobre se deve emitir o licenciamento, e diz que não há prazo para isso.

Depois que a empresa conquistar a licença prévia — que reconhece a possibilidade do empreendimento se localizar em determinada área —, ainda precisariam ser emitidas as licenças de instalação (permite início das obras) e, por fim, de operação.

Fonte da Notícia 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: