O impacto global da geração de energia a partir do carvão

Com dados e modelagem de quase 8000 usinas a carvão, pesquisadores apresentam o quadro global mais abrangente, até o momento, dos impactos do clima e da saúde humana na geração de energia a partir do carvão.

A informação é de Ori Schipper, publicada por Eidgenössische Technische Hochschule Zürich, e reproduzida por EcoDebate, 20/02/2019.  A tradução e edição são de Henrique Cortez. 

As usinas a carvão produzem mais do que apenas o dióxido de carbono que contribui para o aquecimento global. Ao queimar carvão, eles também liberam partículas, dióxido de enxofreóxido de nitrogênio e mercúrio – prejudicando a saúde de muitas pessoas ao redor do mundo de várias maneiras. Para estimar onde a ação é mais urgente, o grupo de pesquisa liderado por Stefanie Hellweg, do Instituto de Engenharia Ambiental da ETH Zurich, modelou e calculou os efeitos colaterais indesejáveis da energia do carvão para cada uma das 7.861 unidades de energia no mundo.

Níveis de poluição desiguais

Os resultados, que foram publicados recentemente na revista Nature Sustainability, mostram que a China e os EUA são os dois maiores produtores de energia a carvão, mas as usinas de energia na Índia têm o maior custo do mundo quando se trata de saúde. A Europa Central, a América do Norte e a China possuem usinas modernas, mas a Europa Oriental, a Rússia e a Índia ainda têm muitas usinas antigas equipadas com tratamento insuficiente de gases de combustão. Como resultado, essas usinas só removem uma fração dos poluentes – enquanto freqüentemente queimam carvão de qualidade inferior. “Mais da metade dos efeitos na saúde podem ser rastreados até apenas um décimo das usinas. Essas usinas devem ser atualizadas ou desligadas o mais rápido possível ”, diz Christopher Oberschelp, principal autor do estudo.

Uma questão de qualidade

O quadro global da produção de energia a carvão mostra que a diferença entre regiões privilegiadas e desfavorecidas está aumentando. Isso está acontecendo por dois motivos. Em primeiro lugar, os países ricos – como na Europa – importam carvão de alta qualidade com alto poder calorífico e baixas emissões de dióxido de enxofre prejudicial. Os países mais pobres exportadores de carvão (como IndonésiaColômbia e África do Sul) ficam com carvão de baixa qualidade, que eles costumam queimar em usinas obsoletas sem o tratamento moderno dos gases de combustão para remover o dióxido de enxofre. Em segundo lugar, “Na Europa, contribuímos para o aquecimento global com nossas próprias usinas de energia, o que tem um impacto global. No entanto, os danos locais à saúde causados pelo material particulado, dióxido de enxofre e óxido de nitrogênio ocorrem principalmente na Ásia.

O poder do carvão ameaça crescer em todo o mundo

Os recursos globais de carvão durarão várias centenas de anos, portanto as emissões nocivas precisam ser limitadas politicamente. “É particularmente importante deixar o carvão com alto teor de mercúrio e enxofre no solo”, diz Oberschelp. Reduzir os efeitos negativos para a saúde da geração de energia a carvão deve ser uma prioridade global: “Mas a industrialização adicional, especialmente na China e na Índia, coloca o risco de agravar a situação”, escrevem os pesquisadores liderados pela Hellweg em seu artigo.

Os custos iniciais de investimento para a construção de uma usina de carvão são altos, mas os custos operacionais subseqüentes são baixos. Os operadores das usinas de energia, portanto, têm interesse econômico em manter suas plantas funcionando por um longo tempo. “A melhor opção é, portanto, não construir novas usinas a carvão. Do ponto de vista da saúde e meio ambiente, devemos nos distanciar do carvão e do gás natural – e, no longo prazo, em direção às fontes renováveis de energia”, diz Oberschelp.

Fonte: Instituto Humanitas Unisinos

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: